segunda-feira, 31 de julho de 2017

Bullying na educação física existe ou não existe? Eis a questão!




Greicy dos Anjos
Verônica Bender Haydu
Silvia Regina de Souza

A hora da educação física é vista por muitas pessoas como a hora da brincadeira e da diversão. Ela está, muitas vezes, associada a momentos de descontração com os colegas e de realização de atividades prazerosas. As aulas de educação física se constituem no ambiente onde o ensino de habilidades como cooperação, enfrentamento de estresse, tolerância à frustração e atraso de recompensa podem ser trabalhados, dando suporte a educação social dos alunos. Contudo, esse pode ser também o momento em que “os nervos ficam a flor da pele”. Isso porque nas aulas de educação física pode haver um clima de competição tendo em vista que as atividades propostas podem levar a comparação de desempenhos. Nessas situações, pode haver a ocorrência de xingamentos, uso de apelidos entre os colegas e até brincadeiras violentas, que muitas vezes são vistas como inofensivas por quem as pratica. Mas, será que essas atitudes são mesmo inofensivas? A ausência de habilidades necessárias para a prática de esportes e atividades físicas, aliadas a professores despreparados para o exercício de sua função, pode contribuir, sim, para a ocorrência do que conhecemos como bullying.
O conceito de bullying vem sendo discutido há algum tempo por educadores e cientistas (Stelko-Pereira & Wiliams, 2010). O bullying pode ser definido como um tipo de violência entre pares e que ocorre de forma sistemática contra uma pessoa ou grupo, sem motivação aparente. Existem diversas matérias de jornais que denunciam sua ocorrência e suas consequências, como brigas, evasão escolar, crianças e adolescentes que desenvolvem depressão, e alguns chegam a cometer suicídio por passarem por situações de humilhação frequente no ambiente escolar. Por essa razão, o bullying é um fenômeno que deve ser discutido e melhor tratado.
Quando se trata de bullying e atividade física, o relato que se ouve é o de que experiências ruins nas aulas de educação física contribuíram para a interrupção de atividades dessa natureza. Esses discursos, geralmente são acompanhados de outros, como: “não sou bom em esportes” ou “não gosto de praticar atividades físicas e esportes”. Sabe-se, contudo, que a pratica regular de atividades física e esporte, quando bem conduzidas, contribuem para uma melhor qualidade de vida e de interações sociais.
A pratica de atividade física está diretamente relacionada à saúde e a prevenção de doenças. Praticar atividades físicas regularmente gera diversos benefícios para o organismo, entre eles a prevenção e controle de doenças como as cardiovasculares e a diabetes, e a aceleração do metabolismo (maior facilidade em perder peso ou maior dificuldade em ganhar peso). Além da liberação de substâncias relacionadas ao prazer e bem-estar. Experiências negativas no contexto escolar em relação a pratica de atividades físicas podem interferir no engajamento nesse tipo de atividade na fase adulta (Williams, D’Affonseca, Correira, & Albuquerque, 2011).
Nesse sentido, para evitar a ocorrência de bullying nas aulas de educação física é importante que o profissional que atua nessa área esteja preparado. Embora cada situação seja única, são dadas, a seguir, algumas dicas que podem auxiliar os professores a prevenirem a ocorrência de bullying ou a lidarem adequadamente com elas. As dicas são:
1.      Planeje sua aula com o objetivo de minimizar situações que possam ser conflituosas e competitivas, sempre deixando claro os limites e as regras do jogo (Weimer, 2014). Nas situações em que ocorre algum tipo de conflito, caso as regras e os limites estejam bem estabelecidos, o espaço de questionamento diminui, diminuindo também a probabilidade de ocorrência de episódios de violência e conflitos durante as aulas.
2.       Proponha atividades que possam ser realizadas por todos os alunos. Desse modo, o aluno menos habilidoso tem a oportunidade de fazer parte do grupo e o mais habilidoso a lidar com situações que, para ele, poderiam ser conflituosas.
3.      Priorize atividades nas quais todos os alunos participem e crie condições para que os alunos se saiam bem nas atividades propostas. Para que isso ocorra, é importante que sua aula seja preparada levando em consideração as habilidades e déficits de cada aluno no que se refere às atividades físicas e esportes. Sentimentos de autoconfiança estão relacionados a comportamentos bem-sucedidos.
4.      Promova diálogos e debates entre e intrassalas, a fim de aumentar o conhecimento dos alunos sobre esse fenômeno. Discuta com eles o que é bullying, quais as consequências para os envolvidos nesses episódios e formas de denunciar a ocorrência desse tipo de violência.
5.      Oriente os pais acerca do conceito de bullying. Explique os eventos que podem contribuir para que o bullying ocorra, bem como, as consequências para os envolvidos. Você pode ainda dar dicas que possam auxiliá-los a identificar e sobre como proceder quando percebem que seu filho ou filha sofre bullying na escola.
6.      Por fim, fique atento ao que acontece nas suas aulas. Observar o comportamento de seus alunos durante as aulas e ouvi-los atentamente é fundamental.
Estar alerta e informado sobre o assunto é muito importante. O bullying não é uma brincadeira e pode produzir consequências negativas para os envolvidos que perdurarão por muito tempo.

Referências
Stelko-Pereira, A. C. & Williams, L. C. A. (2010) Reflexões sobre o conceito de violência escolar e a busca por uma definição abrangente. Temas em Psicologia, 18(1), 45-55.
Weimer, W. R. (2014) Violência e Bullying: Manifestações e consequências nas aulas de educação física escolar. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, 36(1), 257-274.
Williams, L. C. A., D’Affonseca, S. M., Correia, T. A., P. P. Albuquerque (2011) Efeitos a longo prazo de vitimização na escola. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia. 4(2). p. 187-199.

sábado, 1 de julho de 2017

Autocontrole: a decisão entre um carro popular usado e uma BMW 0 Km



Guilherme Alcântara Ramos
Verônica Bender Haydu



      Você já imaginou o que faria se ganhasse 15 mil reais? Algumas pessoas possivelmente escolheriam comprar um carro popular (usado) ou uma moto, ou pelo menos usar o valor como entrada. Imagino que poucas pessoas guardariam o dinheiro ou investiriam o valor para o futuro. Se você aplicar esse valor no tesouro direto (de acordo com informações de um site de investimentos, verificado no dia 02/04/2017) você poderia resgatar o valor de R$184.350,00 (suficiente para comprar uma BMW 0 Km no valor atual) no ano de 2045. Apesar de a quantia final ser bastante significativa, acredito que poucos leitores tenham pensado na possibilidade de aplicar o dinheiro em longo prazo ao considerar o que poderiam fazer com os 15 mil reais. Porque isso acontece?
       Animais em geral, humanos e não humanos, tendem a escolher consequências mais imediatas, mesmo quando isso significa receber um benefício menor. A preferência por consequências imediatas possivelmente é fruto do processo de seleção natural de comportamentos. Quanto mais os animais demoravam para consumir os alimentos, maiores os riscos envolvidos (Green & Myerson, 1996). Não consumir um alimento que estava disponível, envolvia riscos como: o alimento estragar, ser consumido por outro animal ou, no caso de presas, deslocar-se para uma região mais distante ou tornar-se inacessível. Assim, a preferência por resultados mais imediatos, mesmo quando menores, pode ter sido selecionada pelo seu valor de sobrevivência.
      O padrão de comportamento impulsivo, de baixo autocontrole, pode não ter o mesmo valor de sobrevivência para o homem, e pode ser considerado até um problema. Comprar bens de consumo com o dinheiro disponível produzirá certa satisfação pelo acesso aos bens e decorrências derivadas de sua posse, porém poderá comprometer a qualidade de vida na posteridade. Da mesma forma que exagerar no consumo de doces e alimentos gordurosos, que produzem satisfação imediata ao serem consumidos, poderá aumentar a probabilidade de problemas de saúde no futuro. Nos dois exemplos citados, a escolha pelo resultado imediato acarreta em prováveis resultados não desejáveis no futuro.
     Estudos sobre o comportamento de escolha (autocontrole/impulsividade) visam produzir conhecimento que auxilie as pessoas a tomarem decisões mais adequadas, considerando as possibilidades e os efeitos em curto prazo versus aqueles em longo prazo. Alguns dos resultados encontrados apontam que, por exemplo, o álcool afeta negativamente o autocontrole das pessoas, tornando-as mais impulsivas e propensas a comportamentos de risco (Johnson, Sweeney, Herrmann, & Johnson, 2016), portanto é preferível tomar decisões importantes apenas quando estiver totalmente abstêmio. Ficar na presença daquilo que deseja, como um delicioso hambúrguer, torna mais difícil manter o autocontrole (Grosch & Neuringer, 1981), então é preferível evitar ambientes em que se fique na presença de alimentos proibidos quando se está fazendo uma dieta. Realizar alguma atividade que seja incompatível com o comportamento impulsivo auxilia na manutenção do autocontrole, ou seja, vale a pena ter algum hobby ou passatempo prazeroso para lhe entreter nos momentos que quiser evitar se engajar em algum comportamento não desejado. Assim, antes de tomar uma decisão, considere as decorrências das possibilidades que você dispõe, não tome decisões importantes sob efeito de álcool, evite tomar decisões em um primeiro momento, ainda mais quando estiver na presença daquilo que está considerando adquirir, e pense em atividades alternativas que possa fazer quando precisar manter seu autocontrole. Lembre-se que o autocontrole deve ser desenvolvido, as dicas são apenas para lhe auxiliar nesse caminho.

Referências


Green, L., & Myerson, J. (1996). Exponential Versus Hyperbolic Discounting of Delayed Outcomes: Risk and Waiting Time. American Zoologist, 36(4), 496–505. doi: 10.1093/icb/36.4.496

Grosch, J., & Neuringer, A. (1981). Self-control in pigeons under the Mischel paradigm. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 35(1), 3–21. doi: 10.1901/jeab.1981.35-3

Johnson, P. S., Sweeney, M. M., Herrmann, E. S., & Johnson, M. W. (2016). Alcohol Increases Delay and Probability Discounting of Condom-Protected Sex: A Novel Vector for Alcohol-Related HIV Transmission. Alcoholism: Clinical and Experimental Research, 40(6), 1339–1350. doi: 10.1111/acer.13079